Lidando com a pressão

Hey girls!

Nesta terça feira eu participei de uma conferência da PBWC (Professional Business Woman of California) e assisti uma palestra sensacional: Lidando com a Pressão. O que eu achei mais incrível é que a palestra foi bem uma conversa “de mulher para mulher”, já que esse é o intuito deste grupo que promove vários eventos voltados para líderes mulheres. Achei que seria bacana compartilhar com vocês o que aprendi.

A palestrante, Robin Athey, começou com um exercício que eu recomendo que você faça antes de prosseguir. Feche os olhos e pense em uma situação que a deixou extremamente irritada nos últimos dias. Algo que fez você explodir (somos mulheres, pelo menos uma vez por semana isso acontece! hahaha), perder o controle. Sinta no seu corpo a adrenalina contraindo seus músculos, esquentando sua barriga. Em seguida, comece a respirar bem devagar – quando inalar o ar, deixe sua cabeça pender para trás. Ao exalar, mais devagar ainda, deixe a gravidade empurrar sua cabeça para frente, curvando seu corpo. Respire assim pelo menos 5 vezes. Vou dar um tempo para você fazer o exercício…

Fez?

Agora lembre novamente daquela situação. Perceba como fica mais fácil analisar o que a outra pessoa esteve fazendo enquanto você sentiu raiva – e como você não se deu conta no momento em que tudo acontecia. Veja como é mais fácil ver o quadro completo, e não só o seu lado – e como agora os argumentos para tentar resolver a situação surgem na sua cabeça. A explicação para isso está nos nossos sistemas nervosos. Nós temos dois: o simpático e o anti parassimpático (piadinha de mau gosto!). O simpático é responsável pelas reações automáticas, quase animalescas do nosso ser. O parassimpático, ao contrário, é responsável pela centralização, pela análise da situação total. Quando respiramos calmamente, o sistema simpático é desativado parcialmente, dando espaço para o parassimpático agir. Tudo isso tem uma razão histórica: fomos “inventados” em um ambiente em que agir rápido era muito importante (não mudou muito…), então sempre que algo de ruim ocorre, o sistema simpático já dispara uma reação. A reação a algo bom, por outro lado, é bem mais lenta – o sistema parassimpático tem que ser “chamado” para funcionar. As coisas boas levam de 10 a 20 segundos para dispararem uma reação bioquímica, enquanto que as coisas ruim disparam uma reação automática!

Outra forma de testar isso é com uma experiência bem simples. Imagine que você tem duas garrafas de plástico na mão, uma cheia e uma vazia. Se você for bem criativa, vai sentir o peso da garrafa cheia em uma das mãos. Agora comece a apertar as garrafas – quanto mais você aperta, menos você vai sentir a diferença de peso entre elas, certo? Isso porque a tensão impede o sistema parassimpático de funcionar vendo todas as variáveis de uma situação.

O stress dispara o sistema simpático até mesmo no pensamento de uma situação tensa, e é por isso que durante o exercício acima você sentiu no seu corpo toda aquela raiva novamente. Por isso as pesquisas mais recentes no campo da psicologia têm apontado a necessidade da chamada “Atenção Plena” (mindfulness, em inglês). Essa é a aceitação da situação como é – ou seja, o que está fora do nosso controle não deve ser combatido, e sim aceito. Aceitar que você não pode mudar o que você não pode mudar. Estar atento, estar alerta, e saber fazer a diferença entre ação da personalidade e do centro.

A personalidade é responsável por nossa necessidade de aprovação alheia, pela reação ao que não pode ser mudado e pela busca pelo controle – e é horizontal (relacionada a outras pessoas). O centro, por outro lado, é responsável pela aceitação, intuição, visão do todo ao invés da parte e é vertical (conexão com algo acima). Aquele exercício da respiração funciona porque você permite que a gravidade controle seu corpo, a cada vez que você exala o ar e sua cabeça pende. Ele traz você para o seu centro. E é isso que você deve fazer quando estiver em uma situação tensa, cheia de pressão: buscar seu centro através da respiração.

Tentar “se colocar” em seu centro é stressante, já que é mais um fator que você deve controlar durante a situação tensa. O ideal é simplesmente se deixar levar pela força da natureza enquanto respira devagar e sente seu corpo respondendo a esse novo ar que entra e ao que sai. Sinta o ar inflando seu abdome quando entra, e desinflando quando sai.

Namaste para vocês! bjosss!

Anúncios

Diga o que pensa sobre isso

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s